sábado, 31 de dezembro de 2011

Final ou começo?

Esse é o ultimo dia de um ano com muitos frutos. Um ano de vida e morte, de amores e desamores, criações e pesadelos. Como todo caminho que passamos tivemos muitos sonhos a realizar. Alguns foram feitos reais, outros não. Alguns ainda estão sendo moldados. E outros esquecidos. Tudo se baseia em decisões de pensamentos em um mundo complexo. Onde, porque não dizer, que cada escolha cria um universo paralelo diferente e mágico. 
Assim como este futuro próximo que surgem amanhã começa, almas por todas as esferas renascerão com mais esperança e amor. Filhos retornaram ao seu lar para compartilhar os pequenos frutos e sementes mágicas desses dias passados. No ar uma espécie de aura fina e sensível sobrevoará todos os familiares, enchendo-os de uma sensação tão forte como impossível de se descrever. 
Essa sensação vai trazer muita paz aos corações e, a fome de partilhar mais um dia, ano, ou vida com nossos amados. E eu desejo a você um maravilhoso começo de caminho que vai surgir.  
Feliz Ano Novo!!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Sarando no Natal.

A árvore de Natal  piscava a todo vapor. Na televisão, um programa antigo enchia a tela de cenas. chuviscadas. Em um dos cantos o ventilador rodava, fazendo o calor  excessivo do Brasil diminuir. - Nem tanto.
- Ui ... - disse o pequeno bebê que brincava  no chão. Ele era de uma cor caramelada. E deixava uma fragrância de bala ao correr em círculos.
- Fez dodói? - pergunta a mãezinha. Com todo  o carinho, ela se levanta e vai atê o rebento. Pregando um estalado beijo no ferimento imaginário. - Pronto!Sarou.
O pequeno volta a sorrir. Mostrando como o Natal dever ser. Ele dever ser um beijo de uma mãe que faz sarar qualquer machucado ganhado durante o ano que vivemos. Assim o dia vira lábios quentes e macios de amor. Que mostram que não importa o que passou para nos machucarmos. No fim, por mais que demore ou seja rápido, há sempre um ... "Sarou".   

Solidão.

Sinto o vazio, a mão da dor me acompanha,  
os gritos da felicidade ouço de longe.
A agonia toma  conta de mim,
e a morte me rodeia.

O que faço? Por que sinto isso?
Sou o fantasma do silêncio?
Pois sou esquecida do mundo,
mas assombro a mente por alguns instantes.

Lúcifer me persegue
e a Deus clamo, Ele me consola  sonhos.
Mas continuo sozinha neste mundo.
Um mundo sem amor para minha mente.

A mercê dos espíritos.
E na agonia da vida de meus irmãos.
Sou lembrada para a perseguição.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Passagem de um diário fantasma.

Querido diário.

Há algumas noites atrás acordei, fiquei tão assustada, uma risada sombria é que me despertou.
Parecia ...
Não podia ser. Mas se fosse? Bem, a melhor coisa seria  perceber que era bobagem  da minha mente sonolenta. Então voltei a viajar pelo mundo das fantasias, pois, mesmo caminhando no vale da morte das sombras há sempre alguém nos guardando para o bem.
O medo que enchia meu corpo de dúvidas havia acabado. E rindo deixei-me levar...

domingo, 11 de dezembro de 2011

Para você ...

"Falais baixo se falais de amor" 
                                                                                                                  William Shakespeare 


Quando Shakespeare disse isso ele não sabia que amar você me tornaria tão feliz. É por este fato que vou falar-alto-amo-te. 
Irei gritar no sentido dos quatro ventos então o mundo, às pessoas, os animais e às flores saberam que o sol nascente da minha vida é você. 
A cada momento anseio por suas carícias, pelo som das suas palavras, e pelo prazer de admirar seus olhos que mudam de cor a cada direção dos raios do astro rei. 
Uma vez ouvi vozes trazidas pelo vento que diziam: O amor não vive. Esses "sopros" não sentem o calor que meu corpo aprecia ao encontrar o seu olhar, minhas faces se tornam rubras e você logo percebe. Me deleito quando suas cordas ocultas vibram notas, fico apaixonada a cada instante que sinto sua pele se arrepiar ao me tocar. 
Eu amo você e falarei alto, pois, o amor vive para ser mostrado, é por este impetuoso sentimento - que também  é amável - que te escrevo estas palavras. 

                                                                                                                    ... de sua amada. 

sábado, 10 de dezembro de 2011

Minha morte.

A vida é bela e com um sorriso estampado na face.
Mentira!
A vida que vivo é de magoas, caras com lagrimas.

Eu não tenho uma vida.
Tenho, uma ilusão envolta da dor
A dor que a morte tenta me dominar.

Morte
É o fim das dores que proporciona a minha família
Pois sou o estorvo de uma sombra de planta
A ganância, a mesquinhes vivem dentro de mim
Tento despi-las
Consigo, puxa que bom! Tenho uma vida de novo.
Mas as vozes não me deixam
Então caiu nas profundezas do Tártaro.

Morte essa é a minha vida.
Sou ruim, gosto de maldades, soberbas, ridículas
Eu não sinto estás coisas, mas se as vozes as dizem
É por que deve ser verdade

A morte seja mais negra para mim!