quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Dores.

Há pessoas que tem dores maiores que as minhas
mas faço parte desse  grupo
mesmo que seja em ultimo.

Vozes ouço,
não são de fantasmas.
São dos homo sapiens que me esqueceram

Sou lembrado, é claro
na agonia
na zombaria e na distração.

Me chamo de vento
pois todos me sentem
e logo passo para o esquecimento

Tormentos em formas humanas
Isso sim eu conheço

Tento ser gentil
Mas meu ser não é assim.

Então, caiu nas profundezas da imaginação
que é o mundo em que vivo a ilusão



6 comentários:

Lolis Almeida disse...

Que texto lindo e forte! Não há nada pior do que sermos esquecidos por aqueles que amamos...
ainda assim, fique feliz, não esqueci-me de fazer uma visita e agradecer pela sua presença no meu blogue! Muito obrigada! bjus!

Amanda Andrade disse...

Não tem de que. Apena fiz o que você merecia. Beijos.

Breno S. Amorim disse...

Realmente, somos mais lembrados em momentos de agonias, zombarias e, principalmente, nos momentos de distração.
Mas sempre existirá pessoas que lembrarão da gente com amor e carinho.

Até mais!

Amanda Andrade disse...

Sim você tem razão. Mesmo no fim de algo, podemos virar uma esquina e começar outra coisa.

Beijos.

Segunda Pele disse...

Adorei o texto paixão pela escrita. Parabéns.

Amanda Andrade disse...

Obrigada.
Adorei a sua página. São letras tão puras e vibrantes que realmente nos fazem pensar.