terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Paixão pela escrita.

Os carros passavam em uma pequena velocidade pela rua. Lojas de varias cores começavam o seu dia. Pessoas circulavam procurando realizar seus afazeres antes da hora do almoço espremerem seus estômagos. Em um dos lados da rua um carro cinza vulcânico estava estacionado. Suas janelas e portas completamente fechadas. No interior dele, uma moça sentava-se no banco da frente ao lado do motorista. Ela tinha um pacote de folhas no colo e um lápis entre os dedos. Este lápis riscava a folha como um amante ao tocar a mulher desejada. 
A mente dessa garota viajava em pensamentos sobre o vazio. O vazio que sentia ao escrever suas memórias. Era como flutuar em um mar sem som. Andar em uma rua solitária. Respirar fluídos novos e revigorantes. Então, ela percebeu que não era o vazio que sentia. Mas sim paz. A pura e deliciosa paz interior. Uma paz encantadora um meio ao barulho que surgia lá fora. 
Percebendo isso olhou pela janela ao seu lado. Pessoas continuavam no mesmo vai e vem. Algumas nem viam que ela estava lá as observando. Isso poderia magoa-lá em certas circunstâncias, felizmente naquele momento isso não acontecia. Sua ausência lhe trazia uma adorável vida e desejo de se fazer vista e ouvida. E o que melhor fazer para demonstrar isso do que fazendo sua atividade favorita. Escrever... 

4 comentários:

Breno S. Amorim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Breno S. Amorim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lolis Almeida disse...

Temos uma paixão em comum, escrever! Encantei-me pelo teu blogue, estou seguindo! bjuuus
Lolis
http://lorenna-almeida.blogspot.com/

Amanda Andrade disse...

Obrigada, muitos beijos.