segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Pista Sinuosa





Pista com curvas da imaginação
O caminho que eu queria não é
Luzes ficaram apagadas
E o sentimento se desfez

Não era minha intenção
Se pudesse ficaria naquele caminho
Fugiria por aquela porta
Morreria pra te fazer feliz

Pista sinuosa a frente
Cuidado, você pode sofrer acidentes.
Pra proteger aquela mente
Dentro do carro preto em velocidade

Gente, eu tentei te mostrar.
Mas o caminho requisitou uma parada brusca
Aquela que eu não queria assistir
Matar algo importante pra mim

Amanda Andrade 

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Você é perfeito


"E a única coisa que eu deveria beber era uma cerveja bem gelada
Facilmente mentindo e eu tentei, tentei
Mas nós tentamos demais, é um desperdicio do meu tempo
Cansei de procurar pelas criticas, porque elas estão por todo lado
Eles não gostam dos meus genes, não entendem o meu cabelo
Sempre tão rigorosos com nós mesmos o tempo todo
Por que fazemos isso?
Por que faço isso?


Querido, querido, por favor, nunca  se sinta
Como se fosse menos do que perfeito 
Querido, querido, por favor, se em algum momento você se sentir
Como se fosse nada, você é perfeito para  mim.
Você é perfeito




Querido, querido, por favor, se em algum momento você 
Como se fosse nada, você é perfeito para mim."

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

"Tão natural como a luz do dia"





Tudo estava escuro sob minhas pálpebras. O mundo do lado de fora era como uma bola silenciosa de vida rugindo por um rio tempestuoso no mar aberto das desilusões de minha vida. Deitada sob o felpudo cobertor negro me recordei da noite anterior aquele dia. Uma noite tão triste. Uma noite em que vidas terminaram, vidas nasceram e outras foram presas.  Mas também vidas estavam felizes em algum lugar do nosso imenso planeta azul. 

O cheiro dele ainda estava em minhas mãos, o cheiro daquele abraço dourado que eu pode lhe presentear antes dos problemas chegarem a ponta de nossas línguas irracionais de humanos. Aqueles que fazem sorrisos gigantescos de piadas loucas em lágrimas em apenas alguns segundos de batimentos cardíacos. 

Lembrando aquela briga não consegui deixar de sentir meu peito encher de dor, minha respiração virar vespas e minha alma se inflamar de uma tal forma que o simples movimento que fiz para abrir os olhos e encarar o mundo se comparava a levantar um caminhão de desesperança e morte. 

Fiquei tão desesperada. Me faltava ar. Não me existia caminhos. Respostas não eram mais satisfatórias. A brisa de sabedoria da manhã me sufocava. Então, entregue ao devaneio corri, corri para o além de minha casa. Viajei pelas ruas em depressão e trémulas. Voei por entre o riacho de lágrimas. Criei uma bolha de farpas ao caminhar para a porta em direção a liberdade louca que meu corpo precisava. 

O primeiro passo foi "tão natural como a luz do dia" que me irradiou o ser. O sol estava majestoso sobre minha cabeça, seus raios penetrando minha alma de tal forma que suspirei. Aquele calor de estrela ou planeta? Não me recordo agora as regras tolas dos cientistas... aquele ser celeste com sua luz intermitente guiou meu coração até a luz do mundo. Libertando minha alma com apenas algumas vitaminas que seus raios ultravioletas exercem nas minhas células mortais.