terça-feira, 30 de abril de 2013

Destino

Oh! Destinho o que es tu?
uma linha tênue entre as casas da verdade
que margeiam o sabor das desculpas chorosas
ou é um homem belo de sorriso cálido 
que envolve as donzelas na noite destemida 

O que seria o destino?
algo previsto ou sonhado?
um mito de velhinhas contado para as netinhas
para ficarem com a pulga atrás na orelha
esperando esse tal surgiu com a resposta

É por ti
destino meu 
que os calafrios percorrem o coração
ou é a sorte de minha escolha no passado
que me satisfaz no presente. 

Amanda Andrade 


2 comentários:

Edson Marques disse...

Que bom que você gostou da frase inicial do meu poema Mude.
Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade.
Que, aliás, não é de Clarice Lispector.

Se puder, veja o poema todo, assim como o vídeo e o livro Mude, publicado pela Pandabooks, com prefácio de Antonio Abujamra, e à venda nas maiores livrarias.

E o vídeo Mude pode ser visto aqui, no Comercial da Fiat:
http://www.youtube.com/watch?v=-IwFkGLRKps

Até a Revista Veja publicou matéria a respeito: http://veja.abril.com.br/090703/p_103.html

Além disso, tal poema também já foi publicado por Pedro Bial na faixa 4 do CD Filtro Solar.

Detalhes em http://Mude.blogspot.com

/// Para o poeta, o importante é encantar o coração do leitor. Mesmo que este suponha ter sido encantado por Clarice Lispector...

Flores...

LUZ disse...

Oi, querida Amanda!

Tudo bem contigo?
Quanto tempo, né?

O destino é uma entidade abstrata. O destino está, muitas vezes, em nossas mãos.

Saudades de você, querida.

Passe em meus blogs, tá? O post mais recente está no "Luzes e Luares". Te adoro.

Beijinhos da Luz.