domingo, 4 de janeiro de 2015

Sereia


As vezes fico a olhar o mar para recordar as lembranças que aquele marinheiro me fazia viver. Ele tinha um sorriso tão belo que me conduzia aos céus. Uma sereia voar é algo tão glorioso. Mas com o tempo as ondas vieram e o pequeno barco do marinheiro foi lentamente levado pela correnteza. Com ele minha felicidade foi junto. 
De vez em quando a dor é muito maior que meu coração. Quando isso acontece acabo caindo em desespero e nadando por entre todos os mares buscando meu doce marinheiro. Ah, que saudade dele! 
Queria tanto sentir seus toques novamente. Olhar seus doces olhos, dormir em seu peito com o quebrar se seu coração sob meus ouvidos . E não importar com sua deficiência, pois seu coração era o que me bastava. 







Amanda Andrade

Nenhum comentário: